0

Póvoa Dão, Silgueiros, Viseu

Póvoa Dão, Silgueiros, Viseu

Póvoa Dão, uma aldeia beirã, das mais antigas de que há registo na freguesia de Silgueiros, concelho de Viseu. Uma aldeia resgatada à desertificação e transformada num registo vivo da autenticidade e da simplicidade de um determinado modo de vida.

 

Povoa Dão de noite

Povoa Dão de noite

Restaurante Póvoa Dão

Restaurante Póvoa Dão

O ar rústico das casas preserva o ambiente típico de aldeia beirã, apenas contrastado pelo conforto que, obviamente, se impõe nesta tipologia de alojamento. A experiência é elevada a outros patamares, quando nos sentamos à mesa do restaurante da aldeia, já bastante conceituado quee prima pelas várias especialidades gastronómicas, e damos início ao desfilar da gastronomia regional.

Esplanada do restaurante em Povoa Dão

Esplanada do restaurante em Povoa Dão

 

A abraçar a aldeia estão 120 hectares de natureza e o Rio Dão que, ao longo de 2,5 Km, nos brinda com as suas margens. São dezenas de nascentes, percursos pedonais e trilhos organizados para passeio e aventura, socalcos em granito, um enorme pulmão florestal e várias espécies de fauna e flora. Se não quiser aventurar-se, pode ficar pela piscina ou dar uso ao campo de ténis ou futebol que existem para uso exclusivo dos habitantes e visitantes. A tranquilidade está sempre garantida.

Piscina em Póvoa Dão

Piscina em Póvoa Dão

 

 

Atividades – Na Póvoa Dão

Entre cerca de 120 hectares, banhados ao longo de 2,5 Km pelo rio Dão, encontramos dezenas de nascentes, percursos pedonais e trilhos organizados para passeio e aventura, socalcos em granito, um vasto pulmão florestal, a exploração agrícola biológica e várias espécies de fauna e flora. – Piscina – Ténis – Trilhos pedestres – Pesca desportiva – Piqueniques – Birdwatching – Observação de Astros – Percursos na Natureza (Biodiversidade) – Percursos Micológicos
– Vindimas – Santo Amaro – Varejo da Azeitona
– Cozinha – Agricultura Biológica – Enologia – Defesa dos Ecossistemas – Artesanato

Natureza e Biodiversidade

A Póvoa Dão, para alem da aldeia, comporta uma propriedade de 120 há que a abraça em encostas e vales que se estendem do alto das suas colinas até ao Rio Dão margeando-o numa extensão de 2500 metros. Este “santuário de biodiversidade” como já foi apelidado, inclui um conjunto harmonioso de ecossistemas, componentes vivos, processos ecológicos evolutivos equilibrados e em pleno funcionamento. Inserido no espaço mais vasto do hotspot da Bacia Mediterrânica, aqui podemos encontrar largas centenas de espécies de árvores, arbustos e herbáceas, fungos superiores e uma infinidade de aves, mamíferos, repteis, anfíbios e peixes! Muitos destes seres vivos ameaçados ou endémicos quer a nível nacional quer a nível ibérico como sejam:
• Tritão de ventre laranja;
• Rã de focinho pontiagudo;
• Verdemã comum;
• Bordalo;
• Escalo do Norte;
• Narciso triandrus.

Renascer para o turismo de aldeia – por Sara Pelicano

Longe vão os tempos em que as gentes da beira povoavam de risos, lágrimas, nascimentos, sofrimentos, festas, em suma com vidas, o mundo rural. A geografia da desertificação, cartografa-se com muitas partidas, com campos vazios, que perderam milho e linho e ganharam pinhal. Ganharam também a vinha, cobrindo encostas, serpenteando pinhais. O cenário é bucólico, propicio a divagações campestres e a encontros com modos de vida ancestrais. A aldeia da Póvoa Dão está nesta rota de evasão. O núcleo, outrora uma quinta, após um período ao abandono, renasce para o turismo de aldeia.

Ouve-se um burburinho nas ruas empedradas. Dentro das pequenas casas de granito percebe-se vida. Os raios de sol madrugadores atravessam o bosque. Dos campos de linho e milho expira a noite. Aguardam horas de trabalho árduo. A vinha ainda escasseia. A proximidade do rio Dão não deixava produzir vinhos de boa qualidade. Manhã cedo, farnel na mão, os habitantes de Póvoa Dão partem para o trabalho rural.

A aldeia não se esvazia. O carpinteiro coloca na rua parte dos utensílios de trabalho. Arranja um carro de bois. Pelo decorrer do dia é possível que ainda conserte postigos e portas. Rua acima, rua abaixo, encontram-se outros ofícios. O pedreiro que recorre ao ferro de assento para transportar pedras. É preciso fazer um muro se suporte de terras. Numa das casas, com rés-do-chão alto, o suficiente para guardar utensílios agrícolas e animais, e no primeiro andar a habitação, encontramos o barbeiro. Faz a barba, mas se for necessário arranjam-se dentes e consertam-se ossos partidos.

O final do dia aproxima-se. No ar começa a sentir-se o cheiro do lume que aquece no forno comunitário. A hora é de descanso, eventualmente, de convívio.

Acertemos o calendário. O presente torna-se pretérito. O que se traçou veio de outros tempos. Os que agora passam por Póvoa Dão, no distrito de Viseu, encontram outra realidade e trazem outros motivos: procuram dias de descanso e de lazer.

Povoa Dao, Viseu, Fotografia João Abreu

Povoa Dao, Viseu, Fotografia João Abreu

De outros tempos sobrevivem ainda o Sr. Soares e a D. Mercinda, ambos na casa dos 80 anos. Os campos de milho e linho já não têm as proporções de antes e a idade não permite grandes esforços. Contudo são os dois anciãos que alimentam a horta biológica da agora aldeia turística. «Todos os produtos produzidos na horta biológica são consumidos no nosso restaurante», esclarece o gerente da Póvoa Dão, José Alberto Rodrigues.

A estrada romana que atravessa a aldeia é uma marca da ancestralidade de um lugar, que o êxodo rural do início do século passado deixou ao abandono. No ano de 1997 o Grupo Catarino, um conjunto de empresas familiares, uma delas ligada à construção civil, investiu cinco milhões de euros na recuperação das casas. «Tivemos o cuidado de manter a traça antiga das estruturas; acrescentamos apenas, no interior, algumas comodidades, como seja ar condicionado», comenta o responsável.

O investimento é na totalidade privado. Das 24 casas já recuperadas, 16 foram vendidas a particulares. «Foi um investimento muito grande. Tivemos de vender algumas casas», explica o gerente. Neste momento há mais seis casas em fase final de requalificação, e ficam outras 12 para outra altura. «Temos essencialmente um mercado português, mas vamos começar a apostar no mercado estrangeiro. O mercado português é muito sazonal», diz José Alberto Rodrigues.

A envolvente natural por si só é motivo de visita à aldeia turística. A gestão de Póvoa Dão alia às vinhas, que despontam agora por toda a região, a cozinha local. «Quando tivermos mais casas para ocupar, vamos começar a investir na animação». Por enquanto, reina o silêncio e tranquilidade de uma terra afastada do rebuliço citadino. A sede de distrito, Viseu, dista 14 quilómetros de distância.

Galeria de imagens de Póvoa Dão:

Férias de sonho numa aldeia única no género em Portugal

Hoje é uma jóia rara, consequência de um trabalho de reconstrução feito com os cuidados propiciadores de um resultado muito positivo, podendo, por isso, dizer-se que, aqui, pode viver-se o presente à sombra do passado, ou seja, a dois passos das correrias do nosso século fica a tranquilidade, o sossego e a vida simples de séculos atrás.
O residente e o visitante dispõem na Póvoa Dão das condições para uma estada de qualidade. A natureza proporciona a tranquilidade indispensável a quem precisa de encontrar o outro lado das correrias da vida citadina.. Aqui pode ouvir-se o silêncio, apenas interrompido pelo marulhar das águas e pelo cântico das aves. Não faltam as estruturas complementares e, nas redondezas, designadamente, na freguesia de Silgueiros, há bons motivos para pequenos percursos em busca do património construído (casas, cruzeiros, alminhas, campas antropomórficas, lagaretas), de importantes componentes da herança cultural popular (museu etnográfico, grupos folclóricos, grupos de cantares, tunas), de outros aspectos culturais (grupos incentivadores da prática desportiva, grupos de teatro, escolas de música), da gastronomia local (pratos tradicionais, vinho de Silgueiros).
Sugerimos ao leitor que busque ele próprio o muito que poderá encontrar, e nos diga depois se valeu ou não a pena.
Texto da autoria de: António Lopes Pires (Inspector do Magistério da Educação)
Campo de ténis e futebol, Póvoa Dão

Campo de ténis e futebol, Póvoa Dão

Vídeos promocionais de Póvoa Dão:

International / In English

Póvoa Dão – Reportagem SIC Notícias

Póvoa Dão – SIC Mulher

Carolina Patrocínio visita Póvoa Dão

Fontes:

Eu Amo Viseu

Eu Amo Viseu é uma página criada com o objectivo de divulgar o distrito de Viseu. Não só a cidade de Viseu mas todo o distrito. Para isso contamos com a ajuda dos nossos fãs esperando que nos enviem fotografias, cartazes, e toda a infomação que acharem importante sobre as suas zonas de residência. Desta forma pretendemos criar um comunidade de grande dimensão no nosso distrito que esteja sempre a par de actividades, noticias, eventos, conheça os locais mais bonitos da região e muito mais.

Show Comments»